Importância das vacinas

“Prevenir é melhor do que remediar”

A saúde é o nosso bem mais precioso, e a vacina é uma das melhores maneiras de mantê-la.

A Vaciclin criou planos que permitem o planejamento do programa de vacinação de toda a família, oferecendo preços diferenciados e facilidades no pagamento.

Cada plano vacinal leva em consideração as vacinas indicadas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), pela Sociedade Brasileira de Imunizações e de Pediatria, sendo oferecido tanto para criança como para adolescente, adulto e idoso.

A orientação técnica é gratuita e será realizada com base no histórico vacinal do paciente e nas orientações de seu médico.

Vacinas disponíveis

A caxumba é causada por um vírus transmitido pelas vias aéreas que infecta glândulas salivares, geralmente as parótidas, (Parotidite). Os sintomas mais comuns são mal-estar, febre baixa, inchaço e dor em uma ou ambas as parótidas, mas que se agravam após 02 a 03 dias de infecção, podendo evoluir como meningoencefalomielite, pancreatite, miocardite e até surdez. É uma doença que acomete todas as faixas etárias.

Vacinas disponíveis: Tríplice Viral que protege contra sarampo, caxumba e rubéola ou Tetra Viral que inclui a varicela (catapora).

Indicação da vacina: A partir de um ano de idade, sem idade limite.

A vacinação pode ser feita também até 72 horas após exposição, tendo alguma chance do indivíduo não ficar doente graças à ação da vacina.

Esquema de doses: Em crianças a vacina é realizada ao completar 12 meses e o reforço aos 15 meses. Fora dessa faixa etária é recomendado 02 doses com um intervalo mínimo de 30 dias, geralmente 03 a 06 meses.

Contraindicações:

  • Reação alérgica grave a um dos componentes da vacina ou em dose anterior.
  • Gravidez.
  • Imunossupressão.
  • Transfusão de sangue ou uso de imunoglobulina nos últimos 03 meses.
  • História de reação anafilática após ingestão de ovo.

Eventos adversos: Em geral, podem aparecer sintomas a partir de 07 a 10 dias após a vacinação, como febre baixa e pintinhas vermelhas na pele (exantemas).

Aplicação Simultânea com outras vacinas? Não pode ser administrada junto com a vacina de Febre Amarela, nesse caso deve-se respeitar um intervalo de 30 dias. Com a vacina de varicela (catapora) deve ser feita no mesmo dia ou com 30 dias de intervalo entre as administrações e não tem interferência com o restante das vacinas.

Via de aplicação: Subcutânea (SC)

Doença infecciosa aguda, causada por uma bactéria chamada Bordetella pertussis. A transmissão ocorre pelo contato direto com indivíduos portadores da bactéria. A principal característica da coqueluche é a presença de tosse intensa e prolongada. Nos primeiros dias e durante uma ou duas semanas, os sintomas são inespecíficos e semelhantes aos de uma gripe (febre, tosse leve, coriza, olhos avermelhados e lacrimejantes). Mais tarde, esses sintomas desaparecem e surge a tosse típica da doença: “crise” de tosse por alguns minutos, em que o doente não consegue tomar fôlego, o que só faz no final do acesso, geralmente com um “guincho”, podendo ser acompanhada por vômitos.
O quadro clínico é mais grave nos primeiros meses de vida, quando a resistência da criança é menor e as crises, provocando diminuição da oxigenação do organismo, podem trazer consequências sérias. É muitas vezes necessária a internação, inclusive em unidades de terapia intensiva, pois o risco de morte é real.
Já nos adultos a doença pode passar despercebida, sem sintomas importantes, geralmente com tosse seca que se mantém por alguns meses, mas capaz de ser transmitida para outras pessoas, inclusive bebês suscetíveis, que podem desenvolver um quadro severo.

Vacinas disponíveis:

  • Vacina Pentavelente (difteria, tétano, coqueluche, poliomielite e Haemophilus influenzae B;
  • Vacina Hexavalente (difteria, tétano, coqueluche, poliomielite e Haemophilus influenzae B, hepatite B);
  • Vacina combinada contra difteria, tétano, coqueluche e poliomielite;
  • Vacina Tríplice bacteriana acelular adulto (difteria, tétano e coqueluche).

As vacinas possuem formulações pediátrica e adulta.

Indicação da vacina: A partir de 02 meses de idade.

A vacina a ser escolhida dependerá da necessidade de proteção de cada doença e a faixa etária do indivíduo.

Esquema de doses: Em crianças a vacinação contra coqueluche necessita de 03 doses, aos 02 meses, 04 meses e 06 meses de idade, mais 02 doses de reforço aos 15 meses e 04 anos de idade. Após o segundo reforço aos 04 anos, é necessária uma dose de reforço a cada 10 anos.

Contraindicações:

  • Reação alérgica grave a um dos componentes da vacina ou em dose anterior.

Eventos adversos: Os mais frequentes são febre e reação bucal.

Aplicação Simultânea com outras vacinas? Sim, as vacinas que protegem contra coqueluche podem ser aplicadas simultaneamente com outras vacinas, sem prejuízo em nenhuma das vacinas administradas.

Via de aplicação: Intramuscular (IM)

É uma arbovirose causada por um flavivírus que compreende quatro sorotipos. Transmitido pelo mosquito Aedes, que atinge atualmente quase metade da população mundial.
Doença febril aguda, caracterizada por mialgia, dor de cabeça, dor abdominal, erupção cutânea, apatia, anorexia, vômitos, diarreia, derrames cavitários, edema, manifestações hemorrágicas de grau variado e hipotensão /choque. Encefalite, miocardite e hepatite grave, podem ocorrer.

Indicação: A vacina dengue atualmente disponível contém os quatro sorotipos do vírus: DENV1, DENV2, DENV3 e DENV4. Pode ser aplicada em pessoas de 9 a 45 anos de idade, por via subcutânea.

Esquema de doses: Três doses, com intervalo de 06 meses entre elas;

Contraindicação: É contraindicada em imunodeprimidos, gestantes e mulheres que estão amamentando. Também não deve ser aplicada em pessoas com mais de 45 anos ou crianças com menos de 9 anos de idade. Recomenda-se que mulheres em idade fértil não engravidem com menos de 30 dias após a vacinação. O paciente não pode ter sido vacinado para outra doença 30 dias antes e após 30 dias de receber a vacina contra dengue.

Eventos adversos: Os estudos demonstraram um padrão de segurança muito bom. Não foram identificados eventos adversos graves na faixa etária para a qual a vacina está licenciada. A maioria das reações foram leves, de curta duração e reversíveis, independentemente da população estudada e da idade, semelhantes aos eventos possíveis após a aplicação rotineira de outras vacinas.

Via de administração: Subcutânea (SC)

Doença infecciosa aguda, causada pelo bacilo Corynebacterium diphthera.A transmissão ocorre através de gotículas de transmissão respiratória eliminadas por tosse, espirro ou fala, ou por lesões de pele.
O quadro clínico inclui febre, mal estar geral, anorexia e irritabilidade. Manifestações clínicas variam conforme a localização da doença.
Complicações podem ocorrer desde o início da doença até a 6ª ou 8ª semana e pode estar relacionadas com a quantidade de toxina produzida, à imunidade do paciente, à demora do diagnóstico e início do tratamento.

Vacinas disponíveis:

  • Vacina Pentavelente: Tríplice Bacteriana acelular – difteria, tétano, coqueluche (DTPa) + Haemophilus influenzae B (Hib) + Pólio injetável
  • Vacina Hexavalente (Tríplice Bacteriana acelular – difteria, tétano, coqueluche (DTPa) + Haemophilus influenzae B (Hib) + Pólio injetável + hepatite B;
  • Vacina combinada contra difteria, tétano, coqueluche e poliomielite (dTpa + IPV);
  • Vacina Tríplice bacteriana acelular adulto – difteria, tétano e coqueluche (dTpa).

As vacinas possuem formulações pediátrica e adulta.

Indicação da vacina: A partir de 02 meses de idade.

A vacina a ser escolhida dependerá da necessidade de proteção de cada doença e a faixa etária do indivíduo.

Esquema de doses: Em crianças a vacinação contra coqueluche necessita de 03 doses, aos 02 meses, 04 meses e 06 meses de idade, mais 02 doses de reforço aos 15 meses e 04 anos de idade. Após o segundo reforço aos 04 anos, é necessária uma dose de reforço a cada 10 anos.

Contraindicações:

  • Reação alérgica grave a um dos componentes da vacina ou em dose anterior.

Eventos adversos: Os mais comuns são febre e reação inflamatória no local da aplicação

Aplicação Simultânea com outras vacinas? Sim, as vacinas que protegem contra difteria podem ser aplicadas simultaneamente com outras vacinas, sem prejuízo em nenhuma das vacinas administradas.

Via de aplicação: Intramuscular (IM)

Doença caracterizada por início agudo e rápida progressão, apresentando frequentemente complicações, sequelas e alta taxa de letalidade.

O quadro clínico cursa com início súbito de febre, vômitos, dor de cabeça, rigidez de nuca e convulsão, além de prostração, fotofobia e alteração do nível de consciência. As formas clínicas mais graves consistem em meningite (processo inflamatório e/ou infeccioso das membranas que envolvem o cérebro – meninges) e meningococcemia (infecção generalizada).

A transmissão ocorre através de contato direto com gotículas de saliva ou secreção nasal de pessoas infectadas.

Vacinas disponíveis:

  • Vacina meningocócica conjugada ACWY
  • Vacina meningocócica conjugada C
  • Vacina meningocócica B

Meningocócica ACWY

Indicação da vacina: As sociedades brasileiras de Imunizações e de Pediatria recomendam a vacina meningocócica ACWY preferencialmente no esquema de vacinação infantil.

Em pacientes entre 02 a 06 meses: 03 doses com um intervalo de pelo menos 02 meses entre as mesmas. A quarta dose deve ser administrada durante o 2º ano de vida, principalmente entre 12 e 16 meses.

Crianças entre 07 e 23 meses: 02 doses cada uma, com uma dose única, com a segunda dose administrada no 2º ano de vida, pelo menos 02 meses após a 1ª dose.

Acima dos 02 anos, adolescentes e adultos até 65 anos: dose única, podendo ser considerado um reforço 05 anos depois.

Eventos Adversos:  reações locais (dor, calor, enduração, vermelhidão nas 24/72 horas seguintes à aplicação). Podem ocorrer febre e dor de cabeça.

Meningocócica C

Indicação da vacina: Crianças a partir de 02 meses, adolescentes, adultos e idosos.

Esquema de doses: Em crianças de 02 meses a 06 meses de idade, a primeira dose deve ser aplicada o mais precocemente possível a partir de 02 meses de vida, a segunda dose 02 meses após a primeira. Pode ser utilizada nos reforços de 12-15 meses e dos 05 e 11 anos de idade, na impossibilidade de utilização da vacina meningocócica ACWY. Reforços posteriores deverão ser avaliados por médicos, em situações de risco.

Reações Adversas: Dor, vermelhidão, enduração locais. Podem ocorrer febre e irritabilidade.

Meningocócica B

Indicação da vacina: Crianças a partir de 02 meses, adolescentes e adultos até 50 anos de idade.

Esquema de doses:

  • Crianças até 06 meses: três doses aos 03, 05 e 07 meses de idade (intervalo de 02 meses entre as doses), com um reforço entre 12 e 15 meses.
  • Crianças entre 07 e 11 meses: duas doses com intervalo de 02 meses e reforço entre 12 e 15 meses de idade, com intervalo mínimo de 02 meses da última dose.
  • Crianças entre 12 meses e 10 anos de idade: duas doses com intervalo de 02 meses.
  • Crianças a partir de 11 anos, adolescentes e adultos: duas doses com intervalo de 01 mês.

Eventos Adversos: reações locais (dor, vermelhidão, inchaço e calor no local da aplicação) e febre, principalmente nas seis primeiras horas após a vacinação, que geralmente regride em 72 horas.

Infecção viral aguda, transmitida por mosquitos silvestres.

O quadro clínico se inicia de forma súbita, com febre alta e pulso lento, dor de cabeça, dor no corpo, prostração, náuseas, vômitos e, por vezes, diarreia. Dias depois há melhora dos sintomas, o que caracteriza as formas leves e moderadas da doença. Em formas graves há evolução do quadro de sintomas, podendo evoluir para coma.

Indicação da vacina:

  • Rotina para crianças a partir de 09 meses de idade, adolescentes e adultos em áreas endêmicas. Para controle de surto ou situação de alto risco, a vacinação de crianças com idade entre 06 e 08 meses pode ser considerada pelo médico;
  • Para viajantes que se dirigem para áreas endêmicas, a partir de 09 meses de idade;
  • Há precauções especiais para a administração em indivíduos de 60 anos de idade ou mais (aumento de incidência de eventos adversos severos indesejáveis).

Esquema de doses:

  • Onde a vacinação é rotina, a primeira dose deve ser feita aos 09 meses, com reforço aos 04 anos de idade.
  • Onde não é rotina, para aqueles que não foram vacinados antes de 04 anos de idade, que vivem ou se dirigem para as áreas endêmicas, devem ser feitas 02 doses com intervalo de 10 anos.

Contraindicações: Mulheres amamentando até que seus bebês completem 06 meses de vida, imunodeprimidos, gestantes, indivíduos com reação de hipersensibilidade ao ovo, proteína de galinha, a qualquer componente da vacina ou hipersensibilidade grave (anafilaxia) após dose anterior de vacina contra a febre amarela.

Eventos Adversos:  Na maioria dos casos são reações locais, podendo também ocorrer dor de cabeça e mal-estar.

Via de aplicação: Intramuscular ou subcutânea. Preferencialmente subcutânea (SC).

Doença gastrintestinal causada pela bactéria Salmoniella Typhi. A febre tifoide é uma doença que não apresenta sazonalidade, sua ocorrência está diretamente ligada com condições inadequadas de saneamento básico e hábitos individuais de higiene.

Os sintomas podem ser de leves a graves, podem surgir de forma insidiosa, com aumento da fadiga e febre, que podem ser acompanhadas de mal-estar, dor de cabeça, anorexia e hepatoesplenomegalia. Pode ser observado exantema róseo na região do tronco. Constipação intestinal, bradicardia e tosse seca também são sintomas que podem ser ocasionados pela infecção.

A febre tifoide é transmitida por via fecal-oral.

Indicação: Crianças acima de 02 anos de idade e adultos. É NECESSÁRIA ORIENTAÇÃO MÉDICA PARA AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE DA VACINAÇÃO.

Esquema de doses: Dose única e, caso o indivíduo permaneça em risco ou volte a se expor ao risco, deve ser feita a revacinação com intervalos de 03 anos.

Contraindicações: Hipersensibilidade a algum componente da vacina (anafilaxia).

Reações Adversas: Locais, de intensidade leve e tendem desaparecer espontaneamente em até 48 horas. A ocorrência de reações sistêmicas e de anafilaxia é rara.

Via de aplicação: Intramuscular ou subcutânea.

Bactéria capaz de invadir a corrente sanguínea e causar infecção invasiva. Anteriormente à introdução de vacinas eficazes, o Hib era a principal causa de meningite bacteriana e doença invasiva bacteriana em crianças menores de 05 anos.

A transmissão se dá através do contato direto entre indivíduos, por meio de disseminação da bactéria em gotículas respiratórias.

Indicação: A vacina integra a rotina de imunização infantil e pode ser recomendada para adultos e idosos em situações de risco para doenças causadas pelo Haemophilus influenzae tipo b. Pode estar combinada com outras vacinas como na Hexavalente e Pentavalente ou isoladamente.

Esquema de doses:
Crianças a partir de 02 meses: três doses, aos 2, 4 e aos 06 meses de idade, e um reforço aos 15 meses de idade.
Indivíduos maiores de 01 ano com riscos especiais: dose única.

Contraindicações: Tanto para a vacina simples quanto para a vacina combinada, apenas as contraindicações gerais de todas as vacinas: alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Eventos Adversos: São raros e geralmente local (dor, rubor e calor), podem ocorrer nas 24/48 horas seguintes à aplicação.

Apresentações:

  • Vacina Simples: Haemofilus Influenzae b;
  • Vacinas Combinadas:
    • Tetra Hib: Tríplice bacteriana acelular (DTPa) + Hib;
    • Pentavalente (rede privada): Tríplice Bacteriana acelular (DTPa) + Hib + Pólio injetável;
    • Hexavalente: Tríplice Bacteriana acelular (DTPa) + Hib + Pólio injetável + Hepatite B;

Via de aplicação: Intramuscular (IM)

O quadro clínico é correlacionado diretamente com a faixa etária que é acometida pelo vírus, podendo ser assintomática. Sintomas inespecíficos como mal-estar, dor do corpo, mialgia, dor nas articulações, dor de cabeça, diarreia e vômitos podem surgir. As manifestações clínicas mais características são a icterícia, acolia fecal (febre esbranquiçada) e colúria ( urina cor de chá mate).

A disseminação do vírus ocorre principalmente por via fecal-oral, de indivíduo para indivíduo ou através de ingestão de água e alimentos contaminados.

Indicação: Crianças a partir de 01 ano de idade, adultos e idosos.

Esquema de doses: 02 doses, sendo a segunda 06 meses após a primeira. A escolha da formulação pediátrica ou adulta dependerá da idade.

Contraindicações: Alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Eventos Adversos: Raros (menos de 5%). Reações locais são as mais comuns, até 24 após a aplicação.

Apresentações:

  • Vacina Simples: Vacina Hepatite A adulto e pediátrica
  • Vacinas Combinadas: Vacina Hepatite A e B.

Via de aplicação: Intramuscular (IM)

Doença causada pelo vírus de hepatite B é um dos grandes problemas atuais da saúde pública mundial, acarretando a morte em muitos casos.

A manifestação clínica da doença pode variar de acordo com a idade da pessoa acometida no momento da infecção, assim como a evolução clínica da doença pode ser determinada pelo nível de replicação viral e o estado imunológico do indivíduo. O quadro clínico pode ser dividido em fase aguda e fase crônica. Em mais ou menos 10% dos infectados a infecção se cronifica, levando á cirrose hepática e câncer de fígado.

O vírus pode ser detectado em todos os fluidos do corpo humano. A transmissão pode ocorrer pelo contato da pele ou das mucosas com fluidos corpóreos, sangue ou derivados infectados.

Indicação: Crianças, adultos e idosos. A vacina integra a rotina de imunização infantil, mas é recomendada para indivíduos de todas as idades.

Contraindicações: Gerais de todas as vacinas: quadro febril agudo ou alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema de doses:

  • Crianças e adultos: 03 doses, sendo a segunda 01 ou 02 meses após a primeira, e a terceira 06 meses após a primeira dose. A primeira dose das crianças deve ser administrada nas primeiras 12 a 24 horas de vida.
  • Prematuros com menos de 2000g ou 36 semanas de gestação: recomenda-se obrigatoriamente 04 doses, sendo a primeira com 12 a 24 horas de vida, a segunda com 01 mês de idade, a terceira 01 mês após a segunda dose e a terceira 06 meses após a segunda dose.
  • Imunodeprimidos e pacientes renais crônicas: é necessário analisar resposta imunológica para se avaliar necessidade de modificação deste esquema, conforme indicação médica.

Contraindicações:  Alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Eventos Adversos: Raros (menos de 5%). Geralmente reações locais (calor, vermelhidão, dor), até 24 após a aplicação.

Apresentações:

  • Vacina Simples: Vacina hepatite B infantil e adulto;
  • Vacinas Combinadas: Vacina Hepatite A e B;
  • Vacina Hexavalente (combinada): Tríplice acelular (DTPa) + Hib + IPV (poliomielite) + Hepatite B (infantil);

Via de aplicação: Intramuscular (IM)

O agente etiológico do herpes-zóster é o mesmo da varicela (vírus varicela-zóster). Altamente contagioso, esse vírus está presente em todo o planeta, sendo causa de infecção na maioria da população infantil, na ausência de programas de vacinação.

A infecção de transmite de pessoa a pessoa por via respiratória e pelo contato com erupções vesiculares características da varicela e do herpes-zóster.

Indicação: Licenciada para pessoas com mais de 50 anos, que tiveram catapora

Esquema de doses: Dose única.

Contraindicação: Pessoas com alergia grave a algum componente da vacina, imunodeprimidos e gestantes.
Eventos adversos: Reações locais (vermelhidão, inchaço e coceira) podem ocorrer. Febre 7 a 10 dias após a aplicação da vacina.

Via de aplicação: Subcutânea (SC)

Atualmente a infecção pelo papilomavírus humano (HPV) é considerada a doença sexualmente transmissível mais comum. Alguns tipos de HPV estão envolvidos no surgimento das verrugas genitais (condilomas) e outros tipos relacionam-se ao desenvolvimento de câncer genital.

A transmissão ocorre, na maioria das vezes, pelo contato pele a pele através do sexo. Em casos raros pode haver transmissão do vírus através de compartilhamento de roupas íntimas, toalhas ou contato com material ginecológico contaminados.

Indicação: Duas vacinas estão disponíveis: uma contendo os HPV´s dos tipos 6, 11, 16, 18,  licenciada para homens e mulheres a partir 09 anos até 50 anos de idade. E a outra vacina, contendo os HPV´s dos tipos 16 e 18, licenciada para meninas e mulheres. Mulheres mesmo que previamente infectadas podem se beneficiar da vacinação.

Esquema de doses: 03 doses, sendo a segunda um ou dois meses após a primeira e a terceira 06 meses após a primeira. A vacina HPV deve ser iniciada o mais precocemente possível, a partir de 09 anos de idade.
Contraindicações: Hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), e gestação (pois não existem estudos de segurança).

Reações Adversas: geralmente locais (dor, vermelhidão, inchaço, prurido). Reação sistêmica (febre) também é rara.

Via de aplicação: Intramuscular (IM)

O Streptococcus pneumoniae é uma bactéria que apresenta mais de 90 diferentes sorotipos e cerca de 10 sorotipos causam mais de 62% das infecções bacterianas invasivas em todas as faixas etárias.

Bacteremia, meningite e pneumonia são manifestações clínicas graves de infecções pneumocócicas. Otite média aguda, sinusite, mastoidite e tranqueobronquite também são doenças que podem ser causadas pelo pneumococos.

A transmissão ocorre através de contato direto pessoa a pessoas através de gotículas respiratórias.

Vacinas disponíveis:

  • Vacina pneumocócica conjugada 10 valente (rede pública);
  • Vacina pneumocócica conjugada 13 valente (rede privada);
  • Vacina pneumocócica polissacarídica 23 valente;

Pneumocócica 10 valente e Pneumocócica 13 valente

Indicação: A vacina pneumocócica 13-valente protege contra 13 sorogrupos de pneumococos e está licenciada para todas as idades a partir de 06 semanas de vida. A vacina pneumocócica 10-valente está licenciada para crianças a partir de 02 meses até 05 anos de idade e está disponível apenas na rede pública.

Esquema de doses:
– 7 a 12 meses: 02 doses com intervalo de pelo menos 02 meses e um reforço entre 15 e 18 meses;
– Entre 01 ano e 23 meses: 02 doses com intervalo de 02 meses;
– A partir de 02 anos, adolescentes, adultos e idosos: dose única;
– Crianças vacinadas com Pneumo -10 valente, recomenda-se uma dose da vacina Pneumocócica 13 valente.
– Idosos, crianças e adolescentes portadores de doenças de risco, para infecção pneumocócica podem receber uma doses da vacina pneumocócica 13- valente mais uma ou duas doses da vacina pneumocócica polissacarídica 23- valente (esquema de vacinação).

Contraindicações: Alergia grave a um dos componentes da vacina.

Eventos Adversos: Dor, vermelhidão e enduração locais. Pode haver sintomatologia sistêmica, como febre, perda de apetite, irritabilidade.

Via de aplicação: Intramuscular (IM)

Pneumocócica 23 valente

Indicação: Crianças a partir de 02 anos de idade, adultos e idosos.

Esquema de doses:

  • Para crianças, somente a partir dos 02 anos de idade em dose única, quando em condições de risco para a doença e avaliado pelo médico. Sob orientação médica, pode ser indicado APENAS UM reforço após 05 anos.
  • Para pessoas a partir de 60 anos e pacientes de qualquer idade portadores de doenças crônicas de maior suscetibilidade para a doença pneumocócica: o esquema deve ser iniciado com uma dose da vacina 13-valente seguida de uma da vacina 23-valente seis meses depois e uma segunda dose da vacina 23-valente após cinco anos da primeira.

Contraindicações: Quadro febril agudo ou alergia grave a um dos componentes da vacina.

Reações Adversas: Dor, vermelhidão e enduração locais. Pode haver febre.

Via de aplicação: Intramuscular (IM)

Influenza ou gripe é uma infecção viral aguda do sistema respiratório, podendo ser apresentar sobre formas de menor ou maior gravidade.

Os vírus influenza A e B são responsáveis pela doença endêmica:

– Influenza A: de caráter epidêmico ou pandêmico. Ampla distribuição na natureza, acometendo além do homem, porcos, cavalos, galinhas e outras aves.

– Influenza B: possui o homem como hospedeiro.

Sintomas clínicos não são específicos, apresentando semelhanças a outros causados por outros vírus respiratórios, porém com mais intensidade e potencial maior de complicações. Quadro clínico caracterizado por febre alta de início súbito, dor de cabeça, dor de garganta, tosse seca e contínua, prostração, dores musculares e ardor nos olhos. Em formas graves pode haver comprometimento pulmonar.

Doença altamente contagiosa. Transmissão por meio de gotículas de secreção da pessoa contaminada ao suscetível através da fala, tosse ou espirro.

Indicação: Crianças a partir de 06 meses, adultos e idosos.

Esquema de doses:

  • Crianças de 06 a 35 meses: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses de 0,25 ml com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais.
  • Crianças de 03 a 08 anos: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses 02 doses de 0,5 ml com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais.
  • Adultos e crianças a partir de 09 anos: dose única anual de 0,5 ml.

Contraindicações: Alergia (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia (anafilaxia) à proteína de ovo.

Eventos Adversos: Febre, dor e vermelhidão no local da aplicação até 24/48 horas após a vacinação.

Via de aplicação: Intramuscular (IM)

Doença altamente contagiosa e fatal, provocada pelos vírus da poliomielite sorotipos I, II e III.

Sintomas iniciais da doença incluem febre, cansaço, dor de cabeça, vômitos, rigidez de nuca e dor nos membros, no entanto, alto percentual dos casos são assintomáticos. Meningite asséptica, paralisia (em alguns casos irreversíveis), déficit de capacidade respiratória, deglutição e a fala também podem ser ocasionados pela infecção.

Não há cura para a doença, podendo apenas ser evitada através da vacinação.

A transmissão do vírus se dá através de alimentos e fezes, multiplica-se no intestino, podendo invadir o sistema nervoso central. Vírus são excretados nas fezes.

Indicação: Crianças a partir de 02 meses, adolescentes e adultos.

Apresentações:
– Vacina simples: VIP (Salk) – disponível apenas na rede pública para as doses de 02 e 04 meses de idade e nos Centros de Referencia em Imunobiológicos Especiais (CRIE), para situações específicas. Formulação isolada não está disponível na rede privada.
– VOP (Sabin) (disponível apenas em postos de saúde).

Vacinas combinadas (apenas na rede privada):

  • Vacina Pentavalente: dTPa + Hib + VIP (Tríplice bacteriana acelular+ Hemófilo b + pólio injetável);
  • Vacina Hexavalente: dTPa + Hib + VIP + Hepatite B (Tríplice + Hemófilo b + pólio injetável + hepatite B);
  • Tetra com polio infantil: DTPa+VIP (Tríplice +pólio injetável);
  • Tetra com polio para crianças a partir de 04 anos, adolescentes e adultos: dTpa+VIP (Tríplice +pólio injetável)

Esquema de doses:
Crianças a partir dos 02 meses: três doses, aos 02, 04 e 06 meses de idade, um reforço aos 15 meses e outro reforço aos 04-05 anos.
Indivíduos que viajarão para áreas de risco: dose única de vacina contendo VIP.

Contraindicações: Alergia a um dos componentes da vacina. A apresentação oral é de vírus vivos, sendo, portanto, contraindicada em pacientes imunodeficientes. A apresentação injetável é inativada, não havendo esta contraindicação.

Eventos Adversos: A vacina oral pode raramente causar reações gastrintestinais discretas. A vacina injetável pode causar eventos locais como dor e vermelhidão.

Via de aplicação: Instramuscular (IM)

Doença com prognóstico quase sempre fatal. O vírus penetra no organismo por meio de mordida ou arranhões.

Sinais e sintomas são inespecíficos, tais como: febre, dor de cabeça, mal-estar, insônia, náuseas, dor de garganta, irritabilidade, inquietude e angústia e posteriormente evoluem para outros sintomas mais graves e comprometedores.

A transmissão da raiva ocorre pela penetração do vírus contido na saliva do animal contaminado infectado, através de mordedura, arranhadura e em alguns casos através de lambedura de mucosas.

Indicação: Todo e qualquer indivíduo em risco de contrair raiva, independentemente da idade, uma vez que é doença de altíssima letalidade e contra a qual não existe tratamento específico. Imunização contra a raiva em humanos, na profilaxia pré-exposição e na profilaxia pós-exposição, é necessária orientação médica do esquema de vacinação que será feito.

Esquema de doses: Deve ser definido e controlado por médico, de acordo com as orientações do Ministério da Saúde. A dose da vacina para crianças é a mesma do adulto.

Contraindicações: Em virtude da evolução fatal da infecção pelo vírus rábico, a profilaxia pós-exposição não apresenta contraindicação. Em caso de vacinação preventiva (profilaxia pré exposição), as contraindicações são as gerais de todas as vacinas.

Reações Adversas: Em geral, de intensidade leve e tendem a desaparecer espontaneamente em 48 horas. A ocorrência de anafilaxia é rara.

Via de aplicação: Intramuscular ou subcutânea.

Doença de alta contagiosidade, que acomete principalmente crianças.

O benefício através da vacinação está relacionada com o risco do aborto, natimorto e malformações congênitas (síndrome da rubéola congênita).

Inicialmente os sintomas são inespecíficos (febre baixa, dor de cabeça, coriza, dor do corpo e articulações tosse e conjuntivite em adultos). O sintoma mais comum é o exantema maculopapular.

A transmissão ocorre por contato direto ou gotículas de espirro ou tosse, eliminados pela pessoa infectada. A contaminação indireta (menos frequente) ocorre por contato de objetos contaminados.

Indicação: Crianças a partir de 12 meses, adultos e idosos.

Apresentações:

  • Tríplice viral (Sarampo, Caxumba e Rubéola
  • Tetra Viral (Sarampo, Caxumba, Rubéola e Varicela) – Está pode ser aplicada em pessoas de até 12 anos.

Esquema de doses:

  • Crianças a partir de 12 meses: uma dose aos 12 meses, e reforço entre 15 e 24 meses;
  • Crianças a partir de 02 anos de idade e adultos: duas doses com intervalo mínimo de 01 mês.

– A vacina pode ser aplicada a qualquer momento, em qualquer idade, exceto durante a gestação. Idealmente todo adulto deve ter a comprovação de duas doses da vacina, aplicadas em qualquer momento da vida. Pessoas que já tiveram a doença não precisam ser vacinadas.

Para a mulher em idade fértil, é recomendado evitar engravidar nos 30 dias seguintes à vacinação.

Contraindicações: Imunodeprimidos, gestantes e alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia grave a ovo de galinha (anafilaxia).

Eventos adversos: Raros, mas febre com ou sem exantema ou aumento da parótida que pode surgir entre 07 a 10 dias após a aplicação.

Via de aplicação: Subcutânea (SC).

Doença viral infecciosa aguda, grave, transmissível e extremamente contagiosa. Sua relevância aumenta quando atingem mulheres em fase de amamentação, crianças desnutridas e adultos. A principal complicação, que com frequência leva a óbito, é a broncopneumonia.

O quadro clínico da doença é caracterizado por febre alta, exantema maculopapular generalizado, tosse, coriza, conjuntivite e pequenos pontos brancos que aparecem na mucosa oral.

A transmissão acontece através de secreções de mucosas, nariz e boca (saliva, tosse e fala) de pessoas infectadas para as
suscetíveis.

Indicação: Crianças a partir de 12 meses, adultos e idosos.

Apresentações:

  • Tríplice viral (Sarampo, Caxumba e Rubéola);
  • Tetra Viral (Sarampo, Caxumba, Rubéola e Varicela) – Está pode ser aplicada em pessoas de até 12 anos.

Esquema de doses:

  • Crianças a partir de 12 meses: uma dose aos 12 meses, e reforço entre 15 e 24 meses;
  • Crianças a partir de 02 anos de idade e adultos: duas doses com intervalo mínimo de 01 mês.
  • Adolescentes e adultos devem ter comprovadas pelo menos 02 doses da vacina, caso contrário deverão ser vacinados com intervalo de 03 meses entre as doses.

A vacina pode ser aplicada a qualquer momento, em qualquer idade, exceto durante o 1º trimestre da gestação. Idealmente todo adulto deve ter a comprovação de duas doses da vacina, aplicadas em qualquer momento da vida.

Para a mulher em idade fértil, é recomendado evitar engravidar nos 30 dias seguintes à vacinação.

Contraindicações: Imunodeprimidos, gestantes e alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia grave a ovo de galinha (anafilaxia).

Eventos adversos: Raros, mas quadro gripal com ou sem exantema ou aumento da parótida podem surgir 07 a 10 dias após a aplicação.

Via de aplicação: Subcutânea (SC)

Doença infecciosa, não transmitida entre pessoas, causada pela bactéria Clostridium Tetanii que é encontrada no solo e nas fezes de animais herbívoros. Também é encontrado em águas putrefeitas, pregos e latas enferrujadas, plantas e outros. Pode ser constatado em duas apresentações: tétano acidental – quando pessoas manuseiam o solo ou materiais contaminados, ou tétano neonatal que ocorre por contaminação do coto umbilical, ao utilizar-se material contaminados pela secção do cordão umbilical ou tratamento da ferida umbilical.

Indicação:

Apresentações:

  • Tríplice bacteriana pediátrica acelular (Difteria, Tétano e Coqueluche) – DTPa;
  • Tríplice bacteriana adulto (Difteria, Tétano e Coqueluche) – dTpa;
  • Vacina Pentavelente: Tríplice Bacteriana acelular – difteria, tétano, coqueluche (DTPa) + Haemophilus influenzae B (Hib) + Pólio injetável;
  • Vacina Hexavalente (Tríplice Bacteriana acelular – difteria, tétano, coqueluche (DTPa) + Haemophilus influenzae B (Hib) + Pólio injetável + hepatite B;
  • Vacina dT (dupla adulto) – dispon´vel apenas na rede pública.

Obs.
DTPa ( Triplíce bacteriana acelular tipo infantil)

Indicação: A vacina acelular é menos reatogênica do que a vacina de células inteiras dos postos de saúde. Integra a rotina de vacinação para crianças a partir dos 02 meses até 07 anos de idade.

Esquema de doses: 03 doses + reforços – a primeira dose com 02 meses de idade, a segunda com 04 meses e a terceira com 06 meses. Um reforço aos 15 meses e outro reforço entre 04 e 06 anos de idade. Após isso, reforço de 10 em 10 anos com a vacina DT(dupla do tipo adulto) ou, preferencialmente, com a vacina dTpa (tríplice bacteriana acelular do tipo adulto).

Contraindicações: hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), encefalopatia dentro de 07 dias após vacinação imunização prévia da vacina com o componente pertussis (coqueluche);

Eventos adversos das duas vacinas: Febre e reações locais (dor, vermelhidão e edema) são as mais comuns. Raramente pode ocorrer: irritação, choro intenso, síndrome hipotônica-hiporresponsiva

Via de aplicação das duas vacinas: Intramuscular

dTpa ( Triplíce bacteriana acelular tipo adulto)

Indicação: Crianças a partir de 04 anos, adolescentes, adultos e idosos.

Esquema de doses:

  • Crianças a partir de 04 anos de idade e adultos não vacinados ou com histórico vacinal desconhecido: 03 doses com intervalo de dois meses entre elas. A partir daí, reforços a cada 10 anos.
  • Crianças a partir de 04 anos e adultos com esquema vacinal incompleto: completar o esquema com 01 ou 02 doses.
  • Crianças a partir de 04 anos e adultos com esquema primário de 03 doses completo: reforços de 10 em 10 anos
  • Gestantes: é recomendada uma dose em toda gestação, a partir da 20ª semana, preferencialmente entre a 27ª e a 32ª semana.

Contraindicações: hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), encefalopatia dentro de 07 dias após vacinação imunização prévia da vacina com o componente pertussis (coqueluche).

Via de aplicação: Intramuscular (IM)

Doença infecciosa, com apresentação da tuberculose pulmonar como forma mais frequente, no entanto a bactéria causadora pode também afetar ossos, articulações, pele, sistema linfático e outros.

Os sintomas clássicos, quando a doença atinge os pulmões, incluem tosse intensa e prolongada, expectoração com sangue, febre, suores noturnos, perda de peso, hemoptise, astenia, fadiga e calafrios.

A tuberculose é transmitida por meio de aerossóis no ar expelidos quando pessoas com tuberculose pulmonar tossem, espirram e falam.

Indicação: Crianças a partir do nascimento até 05 anos de idade para proteção contra tuberculose e crianças e adultos contactantes de hanseníase quando prescrito pelo médico

Esquema de doses:
Uma dose: A partir do nascimento
Reforço: Não é mais recomendado.

Contraindicações: Pacientes portadores do vírus HIV e outras imunodeficiências congênitas ou adquiridas. Fase aguda de infecções de pele generalizada.

Eventos Adversos: Adenopatias locais, nódulos frios ou quentes, úlceras > 1cm, disseminação sistêmica, entre outros.

Via de aplicação: Intradérmica (ID)

Infecção altamente transmissível. Ocorre como infecção primária pelo vírus varicela-zóster, que possui a capacidade de persistir com uma infecção latente, sendo reativado causando a doença conhecida como herpes-zóster.

Doença com elevada morbidade, com evolução geralmente benigna em crianças, no entanto a infecção pode resultar em hospitalizações, complicações graves e óbitos. Adultos são responsáveis por uma taxa pequena de infectados, mas apresentam com mais frequência doença grave com alto risco de morte pela infecção.

O quadro clínico evolui de exantema maculopapular, para vesículas, pústulas e posteriormente formam-se crostas. Enquanto existir alguma vesícula é contagiosa.

É transmitida de pessoa a pessoa, através de contato direto ou de secreções respiratórias. Raramente ocorre a transmissão através de contato com lesões da pele.

Indicação: Crianças a partir de 12 meses de idade, adolescentes e adultos.

Apresentações:

  • Tríplice viral (Sarampo, Caxumba e Rubéola;
  • Tetra Viral (Sarampo, Caxumba, Rubéola e Varicela) – Está pode ser aplicada em pessoas de até 12 anos.
  • Vacina simples: Varicela

Esquema de doses:

  • Crianças de 12 meses até 02 anos: 02 doses, a primeira a partir dos 12 meses de idade e a segunda entre 15 e 24 meses de idade, respeitando-se intervalo mínimo de 03 meses;
  • A aplicação a partir de 09 meses deve ser feita sob orientação médica e esta dose deve ser desconsiderada.
  • maiores de 02 anos e menores de 13 anos: 02 doses, a segunda 03 meses após a primeira;
  • maiores de 13 anos e adultos: 02 doses com intervalo mínimo de 01 mês entre elas

Contraindicações: Imunodeprimidos, gestantes, crianças menores de 9 meses, alergia grave a componentes da vacina ou a dose prévia da vacina (anafilaxia).

Via de aplicação: Subcutânea (SC)